(Source: leirelatent)

  05:09 pm, reblogged  by enervante 189
Você me pede uma carta de amor. É difícil que ela não seja banal. Ou que não seja triste. Ou que não seja lúcida. Preferia dizer “te gosto”, simplesmente. Você faz cara de tristinho, e pede mais.
Te amo, pelo que você é, mas também pelo que eu sou quando estou com você.
Te amo, não somente pelo que você fez de você, como pelo que você está fazendo de mim.
Te amo, pela descoberta que você fez da melhor parte de mim mesma. E também por você ter entrado no meu coração e ignorado os caprichos, as fraquezas, as limitações, as fantasias, ter trazido à luz um mundo de coisas lindas que eu mesma ignorava. Te amo, por você ter entrado no meu corpo e me delimitado de norte ao sul, de este a oeste, e de ter feito meus sentidos vibrarem como uma orquestra. Eu te amo, e cada dia é como se fosse uma vida inteira. E eu te amo pelas mil vidas que você me dá.
Te amo, sei lá, porque às vezes você me faz sentir-me criança, e porque você fez por mim mais do que qualquer criatura faria para que eu fosse boa e qualquer destino para que eu fosse feliz.
E tudo isso, simplesmente, sendo você.
Te amo com uma ternura inadequada. E te quero com exclusividade. Com desprendimento, com desespero, e com paz.
E amo o menino que há em você.
E o homem.
Amo sua posse. Ela vem devagarinho. Como o mar. E me sinto uma praia pacificada.
Amo até, que doidice, o teu desamor.

Esse esfacelamento que cada ausência tua fez de mim. Essas ausências estão com você, são pedaços de mim, calçados em ti como feridas.
Cada limite do teu corpo, meu amor, tem um caco de mim. E eu tenho ciúmes desses cacos.
Era a minha intimidade, minha virgindade. NÓS, meu amor, sou eu. Você, é o que eu rio, o que eu choro, cada gota de água que eu bebo.
Te amo, meu amor, por aquele botequim que a gente sentava e eu vendo tuas mãos, aquelas mãos fortes de que eu conheço todos os detalhes.
Te amo pelos nossos risos nervosos, pela cicatriz dos teus beijos no meu corpo, por aquele abraço de surpresa pelas costas, o cheiro na nuca que não era cheiro, era carinho. Carinho demais da conta.
Lembra daquela noite? Daquela… foram tantas, né? Aquela do sofá que eu tava com medo que acabasse, que você não viesse no dia seguinte, que você me deixasse.
Você jurava que não. Mas isso acontece, bobo. A gente se deixou. E você pede carta de amor, assim de bobeira, não é? Ou por que é? Naquela noite eu quis fazer de você uma massa, uma forma, uma pedra, um cais, uma cruz. E me pregar nela.
Com você.
Amor tem dessas coisas, bem. A gente vai se dando, se dando, e acaba esquecendo do choro, da mágoa, das esperas, dos ressentimentos. Fica tudo uma coisa só. Poderosa. Massacrante. Indestrutível. Fica aquilo queimando dentro da gente. Ardendo. Como um fogo que não se apagasse mais.
Te amo. E te perdoo. Os cacos, as cicatrizes, aquela dor tão grande de te perder, deixa isso pra lá.
Valeu a fissura que hoje eu sou. Uma fissura só. Valeu, amor, por tudo que eu quis e você não soube.
04:42 pm, by enervante
09:10 pm, reblogged  by enervante 228115
09:01 pm, reblogged  by enervante 1588

(Source: vinebox)

08:48 pm, reblogged  by enervante 124172
  08:35 pm, reblogged  by enervante 3088

(Source: owluminati)

06:54 pm, reblogged  by enervante 53590

(Source: liveloveevintage)

  06:49 pm, reblogged  by enervante 29254
ivalentim:

Pelas mil vidas que você me dá.

ivalentim:

Pelas mil vidas que você me dá.

(Source: ange-supposee)

06:48 pm, reblogged  by enervante 9465

.

 

image

06:47 pm, reblogged  by enervante 222
06:45 pm, reblogged  by enervante 10678
  06:44 pm, reblogged  by enervante 327087
  06:42 pm, reblogged  by enervante 21015
09:24 pm, by enervante 1

(Source: itscolossal)

07:08 pm, reblogged  by enervante 6869